Conheça a história de Gloo, o novo herói de Mobile Legends

0
3

Durante uma grande guerra travada nas Terras Estéreis, o Segundo Regimento do Império Moniyan foi quase totalmente aniquilado. Entre o mar de cadáveres espalhados por toda parte, um soldado Moniyan conseguiu sobreviver; no entanto, perdeu cada um de seus camaradas e foi deixado para caminhar de volta para sua terra natal sozinho.

Nuvens negras envolvem as Terras Estéreis ano após ano. Sem o sol, a lua e as estrelas para guiar seu caminho, este sobrevivente solitário se perdeu no Pântano das Sombras.

Tanto a terra quanto a água encontradas nas florestas do Pântano das Sombras são corrompidas pelo Abismo, deixando o local úmido e pútrido. A extrema fome e fadiga do homem, juntamente com a floresta sem fim que o cercava, mergulharam-no na escuridão e no desespero.

Quando ele estava prestes a desmaiar, uma sensação muito peculiar o trouxe de volta à consciência: uma sensação pegajosa espalhou-se por suas costas, e então ele perdeu todo o controle de seus membros, que corriam descontroladamente por conta própria.

Ele descreveria esse momento em suas memórias como se fosse uma marionete de madeira, como aquelas das crianças de Moniyan. Ele foi manipulado por alguma força invisível, agilmente disparando pela floresta a uma velocidade inacreditável.

O homem estava prestes a perder a consciência quando o corpo que ele não controlava mais parou. Voltando a si mesmo, ele observou com olhos arregalados o que estava diante dele…

Lá ele viu as ruínas de um grande templo emaranhado de videiras, desgastado pelo vento e pela geada, mas ainda grandioso e imponente. Essas ruínas de templos antigos se destacavam como um polegar nos arredores do Pântano das Sombras.

A estranha sensação que percorreu suas costas desapareceu quando ele parou, mas foi só então que ele avistou algo pequeno que pulou nos arbustos próximos, aparentemente se escondendo.

Será que essa coisa está por trás de tudo isso? O soldado estava determinado a descobrir isso e avançou na direção que a figura havia tomado. Da vegetação emanava um farfalhar alto e parecia que algum tipo de luta violenta estava ocorrendo lá dentro.

E então, enquanto o soldado avançava furtivamente, estendendo a mão para afastar um galho, apareceu diante dele uma pequena criatura do tamanho de uma pedra de carvão; ele se preparou para pegá-la e estudá-la mais de perto, mas antes que pudesse fazer um movimento, incontáveis ​​outros surgiram de todos os lados. Eles se empilharam de maneira ordenada e, em pouco mais de dez segundos, a criatura do tamanho de um pedaço de carvão se transformou em uma fera poderosa. Isso aterrorizou o coração do pobre soldado Moniyan, que desmaiou no local. Mas quando acordou novamente, ele se viu não mais dentro do pântano, mas sim na fronteira das Terras Estéreis e do Império.

Ao retornar a Moniyan, ele regalou todos ao redor com esta história. Os cidadãos de Moniyan tinham muito respeito por este veterano, mas rejeitaram sua história como meras alucinações de um homem atormentado pela fadiga enquanto escapava por pouco da morte.

Afinal, mesmo os eruditos mais eruditos de Moniyan nunca tinham ouvido falar de tal criatura. Havia pouco que o soldado pudesse fazer a não ser escrever suas experiências no papel, pois as evidências a serem descobertas em épocas posteriores talvez pudessem provar sua sanidade.

Por sorte, ele não teve que esperar tanto tempo. Este sonho dele foi realizado enquanto ele ainda estava vivo e bem.

Quando o texto élfico “Azrya” chegou à Academia de Magia, um estudante de Moniyan leu registros de uma facção chamada Daktec – registros que se conformavam diretamente com as experiências daquele soldado de Moniyan que ele havia lido antes.

O estudante curioso procurou a reitora da Escola Ulturia, Eudora, que, tendo dado uma olhada nos escritos do soldado, confirmou que eles realmente descreveram um encontro Daktec.

Tendo ouvido isso de Eudora, a humanidade tomou conhecimento dos Daktec – seres peculiares com modos de vida peculiares. Por meio de uma secreção misteriosa, uma vez que apenas um deles se ligasse a qualquer ser vivo, eles poderiam começar a envolvê-lo completamente.

Além do mais, esse revestimento externo em forma de gel agia como um órgão cognitivo que permitia que redes neurais exclusivas funcionassem entre seres Daktec individuais. Destes seres, alguns teriam papéis mais elevados dentro da rede, comandando todos os outros quando se combinassem em uma única forma. Através da fusão em diferentes números, eles eram capazes de controlar seu tamanho e forma à vontade.

Os Daktec foram considerados seres inteligentes e puros, orgulhosos de sua “sabedoria de grupo” que compartilhavam, que era usada principalmente para pregar peças nos elfos vizinhos. Quando ela ouviu falar da bizarra aventura do soldado Moniyan, Eudora percebeu o que tinha acontecido: um grupo de Daktec deve ter vagado longe demais, então eles se agarraram a ele como um organismo maior para pegar uma carona de volta para casa.

Desde o seu nascimento, o Daktec nunca se aventuraram a sair de Azrya, em vez disso, guardavam as florestas e o misterioso antigo templo. Eles nunca haviam iniciado qualquer tipo de batalha, no máximo assumindo a forma de uma besta aterrorizante para assustar qualquer forasteiro que invadisse seu território por acidente. Mesmo os elfos que viviam não muito longe deles sabiam pouco sobre sua espécie.

Talvez a maior inteligência dos Daktec pudesse ser vista em sua residência nas profundezas das florestas, vivendo em harmonia pacífica com o resto do mundo. No entanto, o Abismo mudou tudo.

Abrigando-se no antigo templo, os Daktec se esforçaram para manter sua racionalidade e fé, para evitar se tornar como os Elfos Negros próximos que haviam caído em suas garras. Mas uma corrupção profunda e escura espalhou-se neles e em sua casa na floresta enquanto o Abismo exercia seu poder.

Eudora não estava de forma alguma alheia à situação difícil do Daktec. No final dos escritos do soldado Moniyan, ela deixou algumas frases. “O Abismo é uma catástrofe. Ele causa divisão entre as facções e gera puro ódio. Mas talvez, apenas talvez, esta seja uma chance para nós: uma chance para todas as almas através destas terras se unirem mais uma vez, se tornarem uma só .”

Compre Créditos em Jogos & Gift Cards Online

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here